fbpx

A mulher em cargos de liderança: Tracksale promove o Woman Equity Month

A mulher em cargos de liderança: Tracksale promove o Woman Equity Month

O dia 8 de março é internacionalmente conhecido como o Dia da Mulher, mas as celebrações se estendem por todo o mês. Como forma de trazer à tona a discussão sobre a mulher em cargos de liderança em empresas, a Tracksale está realizando o Woman Equity Month.

A ação consiste na realização de 4 (quatro) eventos durante todo o mês de março no escritório da Tracksale em Belo Horizonte destinada ao público interno e externo. Cada meetup tem a presença de uma palestrante convidada para abordar diferentes vertentes do tema proposto. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio deste link.

A mulher em cargos de liderança: a realidade

Segundo dados do IBGE, apenas 37% das mulheres brasileiras ocupam cargos de direção e gerência em empresas do setor privado. No setor financeiro especificamente, essa porcentagem cai para apenas 10% de mulheres em cargos executivos. Esses são dados de 2017, isto é, do ano passado.

A ação Woman Equity Month surgiu após a coleta de um dado do Customer Experience Summit 2017, evento realizado anualmente pela Tracksale. Estiveram presentes 210 mulheres “managers” no evento, enquanto os homens que exerciam a mesma função eram 149. Se elas eram a maioria em um evento sobre Experiência do Cliente, por que ainda há uma disparidade tão grande entre homens e mulheres líderes no Brasil?

Por mais que já sejam realizados diversos eventos sobre a voz da mulher, ainda percebemos uma ausência de discussões sobre a mulher como tomadora de decisão nas empresas. Portanto, com a ação, estão sendo realizadas palestras com diferentes subtemas. São elas:

Os três primeiros meetups já foram realizados. Você pode conferir abaixo um pouco do conteúdo apresentado:

Mulheres e FINTECH

priscila salles - banco inter - a mulher em cargos de liderança - satisfação de clientes - tracksale
Priscila Salles, Superintendente de CRM do Banco Inter. Foto: Tracksale

Priscila Salles é graduada em Comunicação Social pela PUC Minas, especialista em Marketing pelo IBMEC MG e pós-graduada em Gestão de Negócios também pelo IBMEC MG.

Possui mais de 9 anos de experiência em marketing, branding, estratégias digitais e relacionamento com o cliente. Ingressou no Banco Inter em 2011, e hoje atua como Superintendente de CRM, Marketing e Digital. É também integrante do comitê de comunicação do ÓRBI Conecta, espaço colaborativo de fomento à inovação e empreendedorismo.

Em sua apresentação “Mulheres e FINTECH”, Priscila discorreu sobre o processo de rebranding do Banco Inter – você se lembra de quando ele se chamava Banco Intermedium? – e o quanto foi importante ter mulheres comandando o projeto.

Ao todo, o Banco Inter tem 65 mulheres em sua equipe e 7 delas ocupam cargos de liderança. Priscila afirmou que todas as mulheres da empresa possuem perspectiva de crescimento e todas podem assumir alguma liderança dentro do banco um dia. A área de Tecnologia é um dos setores que, segundo ela, inclui mulheres na equipe há pouco tempo. Atualmente, em um time de Digital Sales de 80 pessoas, 20 são mulheres e as duas maiores Heads de TI também são mulheres.

a mulher em cargos de liderança - primeiro meetup - satisfação de clientes - tracksale
Todos os participantes do 1º meetup do Woman Equity Month, com Priscila Salles. Foto: Tracksale

A voz da mulher em eventos

Andréa Marques Chamon

Andréa Marques Chamon - Psicóloga Social - a mulher em cargos de liderança - satisfação de clientes - tracksale
Andréa Marques Chamon, mestra e doutoranda em Psicologia Social. Foto: Tracksale

Andréa é doutoranda e mestra em Psicologia Social e especialista em gênero e diversidade na escola. Ela apresentou sua dissertação de mestrado defendida na Universidade Federal de Minas Gerais, “As ‘mulatas’ de Di Cavalcanti – um estudo em Psicologia Social'”. 

Em sua pesquisa, Andréa explorou e analisou o significado presente em obras do pintor modernista Di Cavalcanti que retratam mulatas, procurando analisá-las considerando questões de raça, classe e gênero.

Em sua discussão, a psicóloga pontuou questões recorrentes na obra do artista, como a colocação da mulher mulata como sempre pronta para servir seu corpo ou exercendo o papel de mãe, mostrando que esses são dois estereótipos frequentemente associados (inclusive nos dias de hoje) às “mulheres de pele escura”, como diz Andréa. 

A violência de gênero sofrida pela “mulata” é percebida por nossa sociedade como algo comum. É uma violência de gênero marcada pela cor da pele, pelas características que nesse sentido específico a aproximam da mulher branca, mas que também a lembram de sua descendência negra.

Dani Marinho

Dani Marinho - ThoughtWorks - a mulher em cargos de liderança - satisfação de clientes - tracksale
Dani Marinho, Consultora de Desenvolvimento da ThoughtWorks Brasil. Foto: Tracksale

Dani é Consultora de desenvolvimento na ThoughtWorks Brasil. Com mais de seis anos de experiência em desenvolvimento de software, é apoiadora do Technovation Challenge Belo Horizonte, co-organizadora do meetup Random Hacks, bacharel em Sistemas de Informação e cursa Gestão de Negócios. 

Em sua apresentação no Woman Equity Month, Dani apresentou um pouco do cenário da participação da mulher em eventos de tecnologia, contexto em que ela inclusive está inserida. 

Primeiramente, a desenvolvedora passou pelo início de sua trajetória com a tecnologia, como surgiu seu interesse pela área e como ela mais precisamente começou a palestrar em eventos da área. Anteriormente, Dani se considerava insegura e não conseguia se ver em tais situação, mas percebendo a ausência de mulheres palestrando sobre o assunto, ela se viu no dever de ajudar a iniciar uma “revolução”. 

A consultora então discutiu sobre os desafios das mulheres em se sentir confiante e ambiciosa para ter participação em cargos de tecnologia,  passando por conceitos como “ambition gap”, “confidence gap” e se eles existem ou não.

Muitas dessas inseguranças surgem justamente devido ao preconceito de homens com mulheres trabalhando com computação, considerando normais frases como “Não sei lidar com programadora mulher que sabe mais que eu”; “desculpem-me as mulheres aqui presentes, mas IoT é pra macho” (essas foram ouvidas pela própria Dani em eventos e empresas em que esteve presente). 

Eventos como Campus Party, She’s Tech Conference, do Google Developers Group de Belo Horizonte, são exemplos de espaços que já estão procurando incluir mais mulheres palestrantes e mediadoras para os palcos, mesmo que ainda ocorram algumas disparidades. Para Dani Marinho, o que é preciso para as mulheres começarem uma revolução são os seguintes pontos:

  • Olhar crítico
  • Oportunidade
  • Atitude
a mulher em cargos de liderança - terceiro meetup - satisfação de clientes - tracksale
Todos os participantes do 2º meetup do Woman Equity Month, com Andréa Marques Chamon e Dani Marinho. Foto: Tracksale

A mulher na construção de um modelo de negócios

priscila spadinger - a mulher em cargos de liderança - satisfação de clientes - tracksale
Priscila Spadinger, advogada e investidora. Foto: Tracksale

Priscila Spadinger é Advogada de Negócios na Andrade Silva Advogados, Fusões e Aquisições, Private Equity (investimentos privados), investidora anjo, palestrante e advisor. Priscila apresentou a palestra “A Mulher na Indústria de Private Equity e Venture Capital”, as duas modalidades de investimento em que ela atua. Vamos aos conceitos:

  • Private Equity: modalidade destinada a empesas de médio porte, com alto potencial de crescimento, porém já com faturamento substancioso e mercado consolidado;
  • Venture Capital: são investimentos de capital privado de maior risco, normalmente destinados a startups em fase de crescimento inicial ou empresas que “acabaram de nascer”.

Além disso, a advogada apresentou outros tipos de investimento: o Anjo e o Seed Money, além de trazer alguns insights que ela, como investidora, achou válido compartilhar para ajudar aqueles que ainda não sabem como fazer o melhor pitch para seu investidor.

Segundo dados do SEBRAE, 1 em cada 50 oportunidades de negócio tem potencial de chamar à atenção efetiva dos investidores institucionais. Isto é, os índices não está lá ao favor dos futuros empreendedores, mas Priscila deixou algumas reflexões que podem ajudar a potencializar as chances de sucesso de uma empresa:

  • “Vender” para um investidor deve ser simples como vender uma caneta;
  • Conhecer minimamente o que está “vendendo”;
  • Estar ciente de que o dinheiro não é e nunca será solução para os problemas;
  • O mais importante é ter clientes;
terceiro meetup - woman equity month - a mulher em cargos de liderança - satisfação de clientes - tracksale
Todos os participantes do 3º meetup do Woman Equity Month, com Priscila Spadinger. Foto: Tracksale

A mulher empreendedora na tecnologia

a mulher em cargos de liderança - tatiana carvalhais - satisfação de clientes - tracksale
Tatiana Carvalhais, CAO e Co-Fundadora da Tracksale. Foto: Tracksale

O último meetup do evento teve a palestra de Tatiana Carvalhais, CAO e co-fundadora da Tracksale.

Ela apresentar um pouco sobre a sua história com a empresa, a parceria com seus dois outros sócios, Tomás Duarte e Luiz Carvalho e o trabalho que a empresa tem realizado quanto à diversidade e participação das mulheres no mercado de tecnologia. 

Graduada em Publicidade e Propaganda, Tati sempre teve um sonho de ter seu próprio negócio. Durante uma viagem com Tomás, com quem é casada, os dois tiveram a ideia de abrir uma empresa de criação de sites de marketing digital, a Login. Foi com ela quem o casal conheceu o atual COO da Tracksale, Luiz Carvalho, que os ajudou na parte de tecnologia da empresa. Nesta época, Tatiana atuava na área financeira e administrativa da Login.

No início de 2012, Tomás foi percebendo que o tema experiência do cliente estava ganhando espaço principalmente no exterior, mas ainda era pouco explorado no Brasil. Segundo um estudo feito em 2012 pelo Sebrae em São Paulo, 69% das empresas brasileiras nunca tinham feito uma ação pós-venda até então. Esse foi um dos dados que motivou o trio de sócios a criarem a Tracksale, empresa onde atuam até hoje.

Tati também explorou sobre os diversos desafios que enfrentou com o crescimento da Tracksale. Um deles foi justamente seu afastamento devido ao nascimento de seu segundo filho. Após o período de licença-maternidade, Tati se sentiu insegura de voltar à empresa que já estava com escritório novo, membros novos e crescendo cada vez mais.

Mesmo com adversidades, a gestora se mostrou otimista quanto ao seu trabalho e seu papel na empresa, assumindo atualmente o cargo de Chief Administrative Officer, procurando sempre ouvir e trazer o ponto de vista de todas as áreas, além de ser sentir cada vez mais empoderada com a maior presença feminina na equipe – atualmente, 40% da equipe são mulheres – e empoderando as profissionais do time.

Neste mesmo dia, foi transmitido um recado especial de 5 minutos de Camila Farani, Co-Founder at G2 Capital and Shark on Sony’s Shark Tank Brazil com algumas dicas para as mulheres empreendedoras e futuras empreendedoras presentes no evento. 

a mulher em cargo de liderança - equipe - satisfação de clientes - tracksale
Todos os participantes do 4º meetup do Woman Equity Month, com Tatiana Carvalhais. Foto: Tracksale

Não deixe de conferir o álbum com as fotos dos meetups do Woman Equity Month, utilizando este link.

Conheça os nossos parceiros:

Marketing
por Dados:

BuscarID
Desenvolvimento
e Manutenção:

CircusDigital
Estudos
e Relatórios:

Octadesk
Marketing de
Conteúdo:

Contentools
Especialista
em CX:

CXHub